Destaques

0 3
Vidigal aprova lei que autoriza delegado a adotar medidas protetivas a mulher
Vidigal aprova lei que autoriza delegado a adotar medidas protetivas a mulher

O Senado Federal aprovou, nesta terça-feira (10) o projeto de lei 36/2015, do deputado federal Sergio Vidigal (PDT-ES) que define procedimentos do atendimento policial e pericial especializado nos casos de violência contra a mulher. A matéria segue para sanção presidencial.

Com a sanção da nova lei, o delegado poderá decretar essas medidas se verificar a existência de risco atual ou iminente à vida ou integridade física e psicológica da vítima ou de seus dependentes. Na legislação atual, essa é uma prerrogativa exclusiva dos juízes.

Segundo o projeto, a medida concedida pelo delegado só será admitida em caso de risco real ou iminente à vida ou à integridade física e psicológica da mulher e de seus dependentes. A proposta prevê ainda o direito a atendimento policial especializado e ininterrupto, realizado preferencialmente por profissionais do sexo feminino.

Sergio Vidigal comemorou a aprovação da matéria, no Dia Nacional Contra a Violência à Mulher, e disse que é um passo importante na ampliação dos direitos das mulheres que sofrem com a violência doméstica: “É uma medida protetora e necessária para as vítimas. Sob o ponto de vista psicológico, a vítima também se sentirá mais segura em narrar o seu caso para outra mulher”, comentou.

A proposta acrescenta artigos à Lei Maria da Penha para dar diretrizes a esse atendimento quando da inquirição da vítima ou de testemunha de violência doméstica.

“A violência doméstica em pleno século 21 é uma mancha para a nossa sociedade. Não podemos permitir nenhum tipo de violência contra as mulheres”, defendeu o deputado.

O parlamentar lembra que, dados do instituto Datafolha e do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, mostram que mais de 50% das mulheres não denunciam a violência sofrida. Sem contar que 43% das agressões ocorrem dentro da residência da vítima e 61% das agressões são feitas por pessoas conhecidas da mulher.

Medidas

O Ministério Público também deverá ser consultado sobre a questão no mesmo prazo, de um dia. As providências complementares para proteção da vítima, chegando até mesmo à prisão do suposto agressor, poderão ser pedidas pelo delegado ao juiz.

A matéria ainda ressalta a necessidade de que os estados e o Distrito Federal priorizem, no âmbito de suas políticas públicas, a criação de delegacias especializadas no atendimento à mulher e de núcleos de investigação voltados ao crime de feminicídio.

Mais proteção

Ao ouvir o depoimento da vítima, a equipe deverá atuar de modo a preservar a integridade física, psíquica e emocional da depoente devido à sua condição peculiar de pessoa em situação de violência doméstica, além de garantir que ela, familiares ou testemunhas não terão contato direto com investigados ou suspeitos e com pessoas a eles relacionados.

Deverão ainda ser evitados interrogatórios, nos âmbitos criminal, cível e administrativo ou questionamentos sobre a vida privada, de modo a lembrar, de maneira dolorosa, os momentos em que ela esteve sob o jugo do agressor, nos âmbitos criminal, cível e administrativo ou questionamentos sobre a vida privada.

0 2
Campanhas sobre mudanças no clima poderão ter mais recursos
Campanhas sobre mudanças no clima poderão ter mais recursos

Com as constantes mudanças no clima, é necessário ampliar a divulgação de campanhas que mostrem às pessoas consequências do aquecimento global. Para isto, o deputado federal Sergio Vidigal (PDT-ES) apresentou o Projeto de Lei 8628/2017, que visa incluir a promoção de campanhas de conscientização sobre as mudanças climáticas entre as destinações para os recursos do Fundo Nacional sobre Mudança do Clima (Fundo Clima).

A atual legislação já permite o investimento de recursos do Fundo em ações educacionais que tratem do grave problema do aquecimento global e das mudanças climáticas provenientes dele. Mas, de acordo com Sergio Vidigal, é preciso garantir ampla divulgação dessas medidas.

“Acreditamos que apenas as campanhas regulares permitirão levar à população, aos empresários, aos investidores, aos agentes públicos e aos consumidores que é necessário mudar nosso modo de produzir e consumir. Caso contrário não apenas nossas vidas, mas a própria vida do planeta estará em risco”, comentou o parlamentar.

O projeto de lei inclui a expressão “campanhas de conscientização” no inciso I do parágrafo 4º do artigo 5º da Lei do Fundo Nacional sobre Mudança do Clima para permitir a veiculação de ações que esclareçam à população as consequências do aquecimento global. Essas campanhas deverão ser divulgadas em diferentes formatos e veículos.

“É urgente a necessidade de se reduzir emissões de gases de efeito estufa, de modo a evitar um aumento ainda maior da temperatura do planeta. Para isto, as pessoas precisam ser conscientizadas de como agir diante desses fatos”, reiterou o parlamentar.

Aquecimento global

O aumento da emissão de gases de efeito estufa (GEEs), como o dióxido de carbono (CO2), é considerado a principal causa do aquecimento global e das mudanças no clima. No Brasil, a maior parte das emissões de GEEs na atmosfera é causada pelo desmatamento.

As consequências desses fenômenos já podem ser observadas. Nos últimos anos, com a elevação do nível do mar, derretimento de geleiras, intensificação de tempestades, dos períodos chuvosos e de secas, entre outros acontecimentos.

 

0 7
"A privatização da Eletrobrás é mais uma irresponsabilidade do Governo Federal", afirma Vidigal

Durante audiência pública com o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, nesta terça-feira (26) na Câmara dos Deputados, o deputado federal Sergio Vidigal (PDT-ES) afirmou estar preocupado com a privatização da Eletrobrás e questionou o ministro sobre qual o objetivo de vender empresa.

“Mais uma irresponsabilidade desse governo de querer privatizar um setor que é estratégico. Os países mais importantes do mundo como Estados Unidos, Canadá, China, Austrália, todos eles mantêm controle no sistema energético. E aqui no Brasil querem fazer o inverso, quer entregar o sistema energético na mão da iniciativa privada”, comentou.

Por outro lado, o ministro comentou que a Eletrobrás foi responsável por apenas 15% do aumento da capacidade instalada de energia no país nos últimos cinco anos. E que os 85% restantes são resultado do investimento de outros agentes, em especial do setor privado.

Sergio Vidigal afirmou durante a audiência pública que hoje a maior geradora de energia elétrica do Brasil já é uma empresa estatal chinesa, a “China Three Gorges” e que a empresa já demonstrou interesse na compra da Eletrobrás.

“Imagine, vocês, o Brasil tendo o seu potencial energético gerenciado por empresas internacionais com capital estrangeiro. Nós não podemos permitir. Esse foi meu questionamento, solicitei ao ministro que a gente possa realmente fazer uma reflexão e paralisar esse processo”, destacou o deputado.

“O que é pior que isto é entregar na mão do capital estrangeiro. Hoje, a maior geradora de energia elétrica do Brasil já é uma empresa estatal chinesa. Imagine, vocês, o Brasil sendo gerenciado o seu potencial energético com empresas internacionais com capital estrangeiro. Nós não podemos permitir”.

O deputado ainda lembrou que esse processo de privatização vai penalizar o consumidor brasileiro, principalmente de baixa renda, que precisa de investimentos na área social. E deixou um recado para o ministro e ao presidente em exercício:

“Vão cuidar das denúncias que estão aqui nesta Casa contra vocês e respeite o país. Nós, brasileiros, queremos ser governados e gerenciados por brasileiros”, ressaltou.

0 16
Vidigal propõe mudar para dez anos a reprogramação de concessões em rodovias
Vidigal propõe mudar para dez anos a reprogramação de concessões em rodovias

O deputado federal Sergio Vidigal (PDT-ES) protocolou três emendas à Medida Provisória (MP) 800/2017 (conhecida como MP das Rodovias), entre elas, uma que prevê a redução de 14 para dez anos o prazo máximo para a reprogramação do cronograma de investimentos em rodovias.

Para Sergio Vidigal, o aumento no prazo de duplicação de uma rodovia, que pode passar de cinco para 14 anos, é considerado longo. “A publicação da MP das Rodovias é preocupante, pois vai permitir que concessionárias como a ECO 101, que administra as obras da BR-101/ES, possam ter um prazo maior para cumprimento dos contratos. É por isso que propomos uma emenda para reduzir esse prazo para dez anos”, explicou o deputado.

O parlamentar também quer proibir a reprogramação nos casos de empresas concessionárias que não estejam cumprindo o contrato de concessão. O texto vista a inclusão do parágrafo 9° ao artigo 1º da medida. Segundo a Lei nº 8.987, de 13 de fevereiro de 1995, que trata do regime de concessão e permissão da prestação de serviços públicos previsto no artigo 175 da Constituição Federal, quando a empresa não cumpre as regras contratuais, é possível declarar que a concessão caducou ou aplicar as devidas penalidades.

Outra emenda protocolada pelo deputado determina que a redução da tarifa de pedágio deverá ser aplicada imediatamente após a empresa concessionária aderir à reprogramação.

“Será uma forma de compensar pela reprogramação dos investimentos”, afirmou o parlamentar. Essa medida modifica a alínea “a” do inciso II do artigo 1º da MP.

A matéria será analisada em Comissão Mista (formada por deputados e senadores). Depois, o texto segue para o Plenário da Câmara e, em seguida, para o Plenário do Senado.

MP das Rodovias

Na terça-feira passada (19), a Medida Provisória foi publicada no Diário Oficial da União (DOU). Segundo o texto, a reprogramação será feita em acordo entre a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), e as concessionárias, e as condições vão depender ainda de regulamentação do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil.

0 9
Vidigal destaca investimentos de R$ 500 mil para o esporte em Jacaraípe

Para promover o acesso de jovens e adultos a atividades culturais e esportivas, o deputado federal Sergio Vidigal (PDT-ES) esteve, nesta sexta-feira (22), no bairro Laranjeiras, em Jacaraípe, na Serra. Durante o encontro, acompanharam o parlamentar o Secretário de Estado de Esportes, Roberto Carneiro, e do Secretário de Estado de Direitos Humanos, Júlio Pompeu.

Na oportunidade, Sergio Vidigal falou da implantação de um campo de futebol de grama sintética, para o qual destinou R$ 500 mil em emenda parlamentar. “Esses recursos são para que todos tenham acesso a práticas esportivas”, comentou.

O pedetista falou ainda do programa Ocupação Social que promove a redução da criminalidade por meio da musicalização e cursos de qualificação. Para ele, é uma ferramenta importante para promover a inclusão social e afastar os jovens da violência.

“É através da educação e de oportunidades que vamos afastar a nossa juventude da criminalidade”, reiterou.

Violência

São assustadores os índices de violência no Espírito Santo, principalmente na Serra. Segundo dados Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) de 2015, a Serra apareceu na lista das 30 cidades mais violentas do país, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O município é o único do Espírito Santo e da região Sudeste do Brasil presente na lista.

A cidade capixaba ficou na 29ª posição, com 315 homicídios e 21 Mortes Violentas com Causa Indeterminada (MVCI) naquele ano. A pesquisa considerou apenas municípios com mais de 100 mil habitantes e levou em conta as cidades com maior taxa de homicídio naquele período.

Por outro lado, o levantamento mostra que a partir de 2013 o ES saiu da lista dos cinco estados mais violentos do país, pela primeira vez, ocupando em 2015 a 15ª posição nacional.

E, pensando neste contexto, o deputado está defendendo na Câmara dos Deputados um projeto de lei que federaliza a educação no Brasil para mostrar que os jovens mais próximos da educação, esportes e cultura que os jovens ficarão mais distantes da criminalidade.

 

 

0 24
Prefeitura da Serra desvia emendas de novos Postos de Saúde
Prefeitura da Serra desvia emendas de novos Postos de Saúde

As construções de seis novas unidades de saúde na Serra podem não sair do papel. Porque, mais uma vez, os recursos provenientes de emendas do deputado federal Sergio Vidigal (PDT-ES), em quase dos em R$ 3,5 milhões a serem pagos em 2016 e 2017, foram, desviados pela prefeitura para adquirir veículos e equipamentos para Secretaria de Saúde.

Os recursos beneficiariam a construção três Unidades Básicas de Saúde (UBS) e três Unidades Estratégicas da Família em bairros como Jardim Bela Vista, Parque das Gaivotas, Cidade Pomar, Balneário de Carapebus. Sendo essas duas últimas localidades as mais populosas da Serra.

Em 2017, seriam empenhados R$ 2.250.000,00 para a construção de Unidades Estratégicas da Família em Balneário de Carapebus, Cidade Pomar e Jardim Bela Vista. Na proposta de Vidigal, seriam R$ 780 mil para cada um desses bairros. Mas, o valor o estipulado pelo Ministério da Saúde para localidades do Sudeste é R$ 750 mil. E este seria, então, o valor que cada um dos bairros receberia.

Para 2016, estavam previstos R$ 1.224.000,00 para a construção de UBS nos bairros de Balneário de Carapebus, Cidade Pomar e Parque das Gaivotas, cada um emplacando R$ 408 mil reais.

Contudo, sem comunicar previamente Vidigal, a Prefeitura da Serra desviou os objetos das emendas para aquisição de computadores, armários, cadeiras e veículos para a Secretaria de Saúde.

O deputado lembra que é comum a atual administração fazer esse tipo de prática, distorcendo completamente a origem da emenda, previamente discutida com a população da Serra.

“A Serra é maior que todos nós e não pode sair prejudicada por atitudes pequenas. Nossas emendas resultam de muito trabalho e são compromissos firmados com os moradores”, reforçou Vidigal.

Neste primeiro link, é possível conferir os documentos das emendas apresentadas para 2017 http://bit.ly/2xZw1hQ  neste outro link, http://bit.ly/2xPCeNs as emendas de 2016. E aqui http://bit.ly/2w0I9Ns consta como a Prefeitura da Serra está desviando os recursos. Compartilhamos ainda a portaria do Ministério da Saúde que aponta os valores para construção de postos de saúde no ES http://bit.ly/2wOCfTj.

Veja como o deputado destinou os recursos

2017
R$ 750 mil reais para a construção de Unidades Estratégicas da Família no Jardim Bela Vista;
R$ 750 mil reais para a construção de Unidades Estratégicas da Família em Balneário de Carapebus;
R$ 750 mil reais para a construção de Unidades Estratégicas da Família em Cidade Pomar.
2016
R$ 408 mil para construção de Unidades Básicas de Saúde em Balneário de Carapebus;
R$ 408 mil para construção de Unidades Básicas de Saúde em Cidade Pomar;
R$ R$ 408 mil para construção de Unidades Básicas de Saúde no Parque das Gaivotas

0 8
O parlamentar defende que a escola seja um ambiente onde se possa dialogar e dividir experiências e por isso propôs a audiência
O deputado defende que a escola seja um ambiente onde se possa dialogar e dividir experiências e por isso propôs a audiência "Educação para a formação de Ética e Valores”.

O deputado federal Sérgio Vidigal (PDT-ES) acredita que os valores éticos e morais são fundamentais na construção de uma escola melhor, de forma a acabar com a violência, evasão escolar, entre outros problemas enfrentados hoje pela instituição. Para isto, propôs a audiência pública com o tema “Educação para a formação de Ética e Valores”,  na Comissão de Educação, da Câmara dos Deputados.

O objetivo da audiência é ampliar o debate sobre valores éticos entre pais, professores e alunos, desde a educação infantil. “É importante refletirmos sobre a necessidade e os limites da escola se apresentar também como espaço de formação moral e ética, como lugar da apresentação de princípios. A escola não é lugar para violência”, comentou Vidigal.

No encontro, estiveram presentes a representante do Ministério da Educação e Cultura, Sandra Zita Silva Tine, o professor e representante do Instituto de Educação em Valores Humanos, Gonçalo Vicente Medeiros, e a presidente da Comissão de Nível Superior (Fenep), Amábile Aparecida Pacios.

Serra foi exemplo entre 2009 e 2012

O professor de Filosofia, Vicente Medeiros, destacou a experiência exitosa na Serra (ES) entre 2009 e 2012, durante a gestão Vidigal, com o projeto “Educação em Valores Humanos” com objetivo de cuidar dos cidadãos além das disciplinas científicas, ainda na infância.

A nova metodologia de ensino propunha, em paralelo às questões técnicas, o ensino de valores como respeito, dignidade, perdão e afeto. O projeto, na época, foi apresentado pelo próprio Gonçalo. “Daí em diante, a escola passou a integrar a família”, comentou o acadêmico.

Na Serra, o “Programa Valores Humanos” havia sido proposto, em formato piloto, em três unidades: a Escola de Ensino Fundamental (EMEF) Julite Miranda Freitas, em Nova Almeida, a EMEF Jacaraípe, no bairro de mesmo nome e o Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) Professora Maria José do Nascimento, em São Domingos. No total, cerca de 1,7 mil alunos tiveram contato com essa nova filosofia de aprendizagem.

Violência

Infelizmente, as estatísticas refletem a falta desse tipo de debate nas escolas. O Brasil é o primeiro no ranking de violência contra professores. É o que mostra uma pesquisa global da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) com mais de 100 mil professores e diretores de escola do segundo ciclo do ensino fundamental e do ensino médio (alunos de 11 a 16 anos).O levantamento é o mais importante do tipo e considera dados de 2013. Uma nova pesquisa está em andamento e os resultados devem ser divulgados apenas em 2019.

0 10
Em audiência na Câmara dos Deputados, o parlamentar questionou Ricardo Barros sobre os problemas enfrentados pela saúde no Brasil.
Em audiência na Câmara dos Deputados, o parlamentar questionou Ricardo Barros sobre os problemas enfrentados pela saúde no Brasil.

A Comissão de Seguridade Social e Família recebeu nesta quarta-feira (30) o ministro da Saúde, Ricardo Barros, para discutir a exclusão do Hospital São Paulo de recursos do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (REHUF) e a situação dos Hospitais Públicos do Rio de Janeiro.

Na ocasião, o deputado federal Sérgio Vidigal (PDT-ES) questionou o ministro sobre os problemas enfrentados pela saúde no Brasil. Além de assuntos como os recursos que obrigam o governo a prestar atendimentos ou fornecer remédios, piso salarial dos médicos e qualidade no atendimento à população.

Vidigal, que é médico, lembrou que em uma pesquisa de opinião pública feita em 2011 e 2012, no auge da economia do Brasil gerando pleno emprego, a principal reclamação era a saúde pública, enquanto os países latinos estavam preocupados com o desemprego. Hoje, o país vive o desemprego, a retração econômica, aumento da violência e a reclamação para com a saúde também continua.

Barros respondeu que apesar de a saúde no país precisar de melhorias e ainda liderar o ranking de anseios da população, assegurou que vai apresentar bons resultados.

“A saúde no Brasil é o maior problema, sempre foi e continuará sendo, até que em algumas cidades a segurança supera. Em outros lugares têm outros problemas como programas de habitação, asfalto. Mas saúde e segurança disputam a liderança das ansiedades da população. Eu posso assegurar que vamos entregar uma saúde melhor do que recebemos. Vamos entregar uma saúde com gestão”, disse.

O parlamentar citou uma entrevista publicada pela BBC Brasil, em novembro do ano passado, em que o ministro havia dito que estava discutindo no Supremo Tribunal Federal (STF) o julgamento de recursos judiciais para obrigar o governo a prestar atendimentos ou fornecer remédios.

O ministro explicou que na Corte há dois recursos extraordinários (Res), 566471 e 657718, que aguardam julgamento e que tratam do fornecimento de remédios de alto custo não disponíveis na lista do Sistema Único de Saúde (SUS) e de medicamentos não registrados na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“A integralidade que é tudo para o cidadão e a universalidade que é atender a todos igualmente. São os dois princípios que estão na Constituição e que são contraditórios. Mas, o STF quando terminar esse julgamento terá dado qual é o entendimento que vai prevalecer o princípio da integralidade ou o princípio da universalidade, que os dois não são possíveis. Mas, o STF quando terminar esse julgamento terá dado qual é o entendimento que vai prevalecer o princípio da integralidade ou o princípio da universalidade, que os dois não são possíveis.”, comentou.

Vidigal também questionou o ministro sobre a remuneração dos médicos, que para o ele, é aquém do que a categoria busca. Segundo o deputado, a média salarial de um médico no Brasil é em torno de 20 mil dólares por ano, equivalente a 50 e 60 mil reais, anualmente. Enquanto, em outros países, o valor é diferenciado.

Barros explicou que na Constituição Federal tem o princípio da irredutibilidade e da isonomia, que “impede” o Estado de reajustar os salários.

“Então, esses princípios constitucionais dificultam a consolidação de um modelo de carreira que possa premiar aquele que está lá iniciando a carreira ganhando muito mais e aquele que está no final da carreira pode ganhar menos porque o salário de mercado daquela atividade num grande centro é menor. É um desafio que todos estão convidados a debater e encontrar a solução”, ponderou.

Após ser questionado sobre a qualificação dos profissionais de saúde, o ministro disse que existem vários programas em andamento, como a o Sistema Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde (UNA-SUS), é uma rede colaborativa de instituições de ensino superior com 35 instituições de ensino superior, que qualifica quatro milhões de colaboradores, entre outros meios de capacitação.

“Nós aplicamos em julho de 2017, 700 milhões de reais em credenciamento de novos serviços, três mil equipes da saúde da família 2.300 equipes de saúde bucal e vários outros serviços que também foram credenciados, ressaltou.

Além do ministro, esteve presente na audiência, o presidente da Federação Nacional dos Médicos (Fenam), Jorge Sale Darze.

0 5
Comissão de Educação do Senado aprova projeto do parlamentar que inclui o dia 26 de junho como dia de reconhecimento da cidade de Santa Teresa como pioneira da Imigração Italiana no nosso país.
Comissão de Educação do Senado aprova projeto do parlamentar que inclui o dia 26 de junho como dia de reconhecimento da cidade de Santa Teresa como pioneira da Imigração Italiana no nosso país.

O deputado federal Sérgio Vidigal (PDT-ES) sabe que o município de Santa Teresa, no Espírito Santo, é percursor da imigração italiana no Brasil. E, nesta terça-feira (29), a Comissão de Educação do Senado aprovou o projeto de lei 2619/2015, de sua autoria, que inclui o dia 26 de junho como dia de reconhecimento da cidade capixaba como pioneira da Imigração Italiana no nosso país.

O relator da matéria foi o senador Magno Malta (PR-ES) e agora segue para votação no Plenário e, depois, sanção presidencial. Após a lei ser sancionada, todo dia 26 de junho será para lembrar Santa Teresa como a capital brasileira da Imigração Italiana e sempre comemorar esse dia como a data da Imigração Italiana no Brasil.

“Eu fico muito feliz porque aprovamos o projeto na Câmara dos Deputados, agora aprova-se no Senado Federal e, a partir de então, será reconhecido como lei. Esse é um reconhecimento que vai alavancar o turismo criando oportunidades de emprego e renda para os moradores da região”, comemorou.

O parlamentar também destaca que, além da forte cultura italiana na cidade, 40% do seu território é formado por mata atlântica e possui rica fauna e flora. Esse fato junto com o potencial histórico da cidade atraem milhares de turistas todos os anos. De acordo com dados do IBGE de 2017, a população estimada é de 24.025 pessoas.

Muita história para contar!

A primeira expedição de italianos para o Espírito Santo foi batizada com o sobrenome do seu idealizador, Pietro Tabacchi. Segundo o sociólogo Renzo M. Grosselli, no livro “Colônias Imperiais na Terra do Café”, da Coleção Canaã do APEES, tabacchi era um italiano oriundo de Trento que já se encontrava no Espírito Santo desde o inicio da década de 1850.

Em 17 de fevereiro de 1874, chegava ao porto de Vitoria o navio “La Sofia”, conduzindo 388 imigrantes italianos provenientes, em sua maior parte, da província de Trento. Eles foram contratados por Pietro Tabacchi, que possuía a fazenda “Monte das Palmas”, em Santa Cruz. Foi a primeira expedição em massa de camponeses da Itália para o Espírito Santo e daria início à epopeia emigratória dos italianos para o Brasil.

O nome da cidade tem duas possíveis origens ou até mesmo uma união das duas situações. Uma delas provém da fé de uma das colonizadoras que, aos pés de uma árvore conhecida na região por Pau-Peba, fixou uma imagem de Santa Teresa, trazida da Itália. Na sombra dessa árvore se reuniam os colonizadores para suas orações. A segunda dá-se pelo fato da Estrada de Santa Teresa, que ligava Vitória (ES) a Coité (MG), cortar o Núcleo Timbuy.

A data de fundação do município é 26 de junho de 1875 e sua emancipação aconteceu em 22 de fevereiro de 1891

0 6
Projeto de lei de Vidigal proíbe venda de bebidas alcoólicas em postos de gasolina
Projeto de lei de Vidigal proíbe venda de bebidas alcoólicas em postos de gasolina

O Ministério Público Estadual (MPES), por meio da 5ª Promotoria de Justiça Cível da Serra, arquivou um inquérito civil contra o deputado federal Sérgio Vidigal (PDT), ex-prefeito do município. Ele era investigado pela suposta prática de ato improbidade pela ausência de repasse previdenciário da cota patronal ao Instituto de Previdência Social (IPS).

Na decisão de arquivamento, publicada no Diário Oficial do último dia (15), a justificativa para o encerramento da ação foi a ausência de provas. Isso porque o deputado apresentou documentos que comprovaram que a Prefeitura estava em dia com o repasse da coa patronal ao IPS.

Para Vidigal o arquivamento já era esperado. “Recebemos com felicidade essa notícia que demonstra que as denúncias não passaram de fato político, sem fundamentos legais para isso”, esclareceu o deputado.

Na Portaria nº 6.772, o promotor de Justiça, Alexandre de Castro Coura, responsável pela investigação, notifica o arquivamento do inquérito contra Vidigal e o secretário municipal de Finanças à época, Leonardo Bis.

Redes Sociais

21,230FãsCurtir
352SeguidoresSeguir
0AssinantesAssinar